"VOCÊS, TAMBÉM, COMO PEDRAS VIVAS, DEIXEM QUE DEUS OS USE NA CONSTRUÇÃO DE UM TEMPLO ESPIRITUAL ONDE VOCÊS SERVIRÃO COMO SACERDOTES DEDICADOS A DEUS. E ISSO PARA QUE, POR MEIO DE JESUS CRISTO, OFEREÇAM SACRIFÍCIOS QUE DEUS ACEITE." 1Pe 2:5

25 fevereiro 2008

Uma bênção que alguns não querem.
“Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é mister socorrer os necessitados e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar que receber.” (At 20.35.)
A filosofia que rege o mundo é diametralmente oposta àquela estabelecida por Jesus. O mundo desaprova e escarnece dos valores que regem nossa conduta financeira. Numa cultura em que a lei régia é levar vantagem em tudo, ganhar tudo o que puder, por todos os meios, de todas as formas, em todo o tempo e de todas as pessoas, para o seu próprio deleite, o ensino de Jesus é revolucionário: “Mais bem-aventurado é dar que receber.” (At 20.35.) Ninguém é tão pobre que não possa dar, nem tão rico que não possa receber. Todos podem experimentar essa bem-aventurança. Dar não é tanto uma questão de quanto dinheiro temos nas mãos, mas de quanto amor temos no coração. Nós sempre somos ricos em relação a alguém. Sempre haverá alguém mais necessitado do que nós. Somos sempre desafiados a repartir um pouco do que temos. Essa bem-aventurança de dar não é restrita apenas aos ricos.A Bíblia não condena a riqueza. Se a riqueza é granjeada com honestidade e trabalho e usada com generosidade e altruísmo, ela é uma bênção. O problema não é ser rico, mas avarento. O problema não é possuir dinheiro, mas ser possuído por ele. O problema não é ganhar dinheiro, mas retê-lo com usura. O problema do mundo moderno não é escassez de provisão, mas injusta distribuição. Enquanto uns têm de sobra, outros passam necessidade. Enquanto uns morrem de comer, outros morrem de fome. O que é jogado fora da mesa de uns, falta na mesa de outros. O problema da fome não é falta de alimento, mas falta de amor.A parábola do samaritano (Lc 10.25-37) aponta-nos três tipos de atitudes que estão presentes na sociedade. A primeira atitude é a dos ladrões e salteadores que saquearam o viajante, deixando-o semimorto à beira do caminho. Esses são aqueles que vivem para fazer o mal. São de todo corrompidos. Maquinam o mal, tramam a violência e executam-na sem compaixão. Em vez de trabalharem e ganharem o pão com o suor do rosto, não respeitam a vida nem os bens do próximo. A segunda atitude é representada pela omissão do sacerdote e do levita, que, ao verem o homem ferido à beira do caminho passaram de largo. Esses são aqueles que vivem para si mesmos. Estão muito ocupados com os seus próprios negócios e não têm tempo nem amor para cuidar dos necessitados. A terceira atitude é a do samaritano, que ao ver o moribundo abandonado à sua própria sorte, pára, olha, se aproxima, cura, levanta, carrega e investe na vida do necessitado, sem se importar com sua nacionalidade ou religião. O amor não tem preconceitos nem fronteiras. Ele é altruísta. O amor pensa nos outros, mais do que em si mesmo. O amor tem mais prazer em dar do que em receber. Na verdade, perdemos o que retemos e possuímos o que damos. A semente que comemos ou guardamos não pode se multiplicar. O que damos, porém, é como uma sementeira que se multiplica. Quanto mais damos, mais recebemos. Quanto mais semeamos, mais colhemos. O princípio bíblico é: “mais bem-aventurado é dar que receber.” (At. 20.35.)

Vejamos alguns ensinos práticos sobre esse postulado:
1. Precisamos entender que a riqueza não é para ser acumulada, mas distribuída (At 20.35) – Jesus disse que é difícil um rico entrar no Reino de Deus (Lc 18.24). Na verdade, é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico ser salvo. Contudo, o que para os homens é impossível, é possível para Deus (Lc 18.24-27). O rico não pode fazer do dinheiro o seu deus, nem pôr a sua confiança na instabilidade das riquezas (I Tm 6.17). Os ricos têm um grande ministério: ajudar os pobres. Eles precisam ser generosos no dar. Precisam aprender a repartir os seus bens. Zaqueu, ao ser convertido, resolveu destronar o deus Mamom do seu coração. A generosidade foi a primeira evidência da sua conversão (Lc 19.8). Jesus fala sobre um rico avarento que se regalava em suas festas sem se apiedar de Lázaro, faminto, à sua porta. Sua riqueza tornou-se o combustível da sua própria ruína. Ele morreu e foi para o inferno, porque amou mais o dinheiro do que a Deus e ao próximo. Ele não foi para o inferno por ser rico, mas por ser avarento (Lc 16.19-31). A avareza é a evidência mais hedionda do egoísmo.
2. Precisamos entender que, quando damos aos pobres, é como se estivéssemos dando ao próprio Deus (Mt 25.40; Fp 4.18) – No dia do juízo, os homens serão julgados segundo as suas obras (Mt 25.31-46). Certamente, pelas obras ninguém pode ser salvo (Ef 2.8-9). Não somos salvos pelas obras, mas para as boas obras (Ef 2.10). As nossas boas obras não nos levam para o céu, mas nós as levamos para o céu (Ap 14.13). Jesus disse que, quando damos pão ao faminto, água ao sedento, vestes ao nu, abrigo ao forasteiro, e visitamos os presos e doentes, é como se fizéssemos essas coisas a Ele (Mt 25.40). Temos de ver Deus no rosto do nosso próximo. Aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê (1Jo 4.20). Negligenciar a generosidade aos pobres e aflitos é como sonegar a Jesus um gesto de socorro. Deixar de dar pão a quem tem fome é o mesmo que negar um prato de comida ao Filho de Deus. O apóstolo Paulo diz o que ofertamos aos outros é como uma oferenda a Deus, como um sacrifício aceitável e aprazível a Deus (Fp 4.18).
3. Precisamos entender que, quando damos aos pobres, emprestamos a Deus (Pv 19.17) – Deus é o dono de todas as coisas (Sl 24.1). Somos apenas mordomos dos bens que Ele nos confiou ( I Co 4.1). Somos administradores de bens alheios (Lc 16. 1-2). Nada trouxemos para este mundo, nem dele vamos levar coisa alguma ( I Tm 6.7). Não há bolsos em mortalhas nem caminhão de mudança em enterros. Nossos tesouros não podem nos acompanhar nem nos valer na viagem que faremos par a eternidade. Contudo, quando socorremos os aflitos com os bens que o próprio Deus nos confiou, isso é como um empréstimo a Deus ( Pv 19.17). Ele nunca fica devendo nada a ninguém. Ele é a fonte de todo bem. Ele é quem nos dá a vida, a saúde, a inteligência e nos capacita para adquirirmos riqueza (Dt 8.18). Ele é quem abre as janelas dos céus e derrama sobre nós bençãos sem medida (Ml 3.10). Sua palavra é clara: “Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” (Lc 6.38.) Jesus disse que até um copo de água fria que você der a alguém em seu nome não ficará sem recompensa. Sim! Mais bem-aventurado é dar que receber. Enquanto damos coisas materiais, recebemos recompensas materiais e, sobretudo, espirituais. Deus é o supremo galardoador!
4. Precisamos entender que, quando damos aos pobres, o nome de Deus é glorificado, e o evangelho ganha credibilidade (Fp 4.18-20) – Quando os homens vêem as obras da igreja, eles glorificam a Deus (Mt 5.16). Quando a igreja compartilha as necessidades dos santos, as portas se abrem para o testemunho do evangelho. O apóstolo João diz que o amor verdadeiro não é apenas de palavras, mas traduz-se em obras, em ajuda ao necessitado (I Jo 3.17-18). João Batista disse que o verdadeiro arrependimento implica também repartir comida com quem tem fome e vestes com quem está nu (Lc 3.11). Na igreja primitiva, as pessoas tinham tudo em comum (At 2.44; 4.32). O apóstolo Paulo nunca separou a pregação do evangelho da assistência social. Ele se preocupava com os pobres (Gl 2.10).
5. Precisamos entender que a generosidade no ato de dar é o caminho da verdadeira felicidade (At 20.35) – Jesus disse que dar não é um peso, mas uma grande alegria (At 20.35). Esse privilégio não é apenas um caminho excelente da bem-aventurança, mas um dos mais distinguidos. Ofertar não é um ato que deve ser praticado com tristeza, pois Deus ama a quem dá com alegria (2Co 9.7). Receber algo de alguém é uma grande benção e nos proporciona uma grande felicidade, mas Jesus disse que a alegria de dar é maior ainda do que a alegrai de receber. Há muitas recompensas para aqueles que têm o coração generoso. A primeira recompensa é que a generosidade promove a glória de Deus (2Co 9.11-13). em segundo lugar, ela supre a necessidade do próximo (2Co 9.12). Em terceiro lugar, o generoso faz bem a si mesmo (Pv 11.17). Em quarto lugar, a generosidade produz prosperidade (Pv 11.24-25; 2Co 9.10-11). Em último lugar, aquele que acode ao necessitado, Deus o liberta no dia da aflição, o preserva do inimigo, conforta-lhe na enfermidade e o faz feliz na terra (Sl 41. 1-3). Mesmo que sejamos pobres, podemos ser ricos em bondade. A palavra de Deus nos diz que “uns se dizem ricos sem terem nada; outros se dizem pobres, sendo mui ricos.” (Pv 13.7.) Que mesmo em nossa pobreza possamos ser generosos no repartir, assim como o apóstolo ensinou: “pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo.” (2Co 6.10.)

Pr. Hernandes Dias Lopes
Trecho retirado do livro "Mensagens Selecionadas"

23 fevereiro 2008

Salmo 150
1 Louvai ao Senhor! Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento do seu poder!
2 Louvai-o pelos seus atos poderosos; louvai-o conforme a excelência da sua grandeza!
3 Louvai-o ao som de trombeta; louvai-o com saltério e com harpa!
4 Louvai-o com adufe e com danças; louvai-o com instrumentos de cordas e com flauta!
5 Louvai-o com címbalos sonoros; louvai-o com címbalos altissonantes!
6 Tudo quanto tem fôlego louve ao Senhor. Louvai ao Senhor!

22 fevereiro 2008

Salmo 140
1 Livra-me, ó Senhor, dos homens maus; guarda-me dos homens violentos,
2 os quais maquinam maldades no coração; estão sempre projetando guerras.
3 Aguçaram as línguas como a serpente; peçonha de áspides está debaixo dos seus lábios.
4 Guarda-me, ó Senhor, das mãos dos ímpios; preserva-me dos homens violentos, os quais planejaram transtornar os meus passos.
5 Os soberbos armaram-me laços e cordas; estenderam uma rede à beira do caminho; puseram-me armadilhas.
6 Eu disse, ao Senhor: Tu és o meu Deus; dá ouvidos, ó Senhor, à voz das minhas súplicas.
7 ó Senhor, meu Senhor, meu forte libertador, tu cobriste a minha cabeça no dia da batalha.
8 Não concedas, ó Senhor, aos ímpios os seus desejos; não deixes ir por diante o seu mau propósito.
9 Não levantem a cabeça os que me cercam; cubra-os a maldade dos seus lábios.
10 Caiam sobre eles brasas vivas; sejam lançados em covas profundas, para que não se tornem a levantar!
11 Não se estabeleça na terra o caluniador; o mal persiga o homem violento com golpe sobre golpe.
12 Sei que o Senhor manterá a causa do aflito, e o direito do necessitado.
13 Decerto os justos louvarão o teu nome; os retos habitarão na tua presença.

21 fevereiro 2008

Está mãozinha é da Igreja Metodista Wesleyana, acho que de Petrópolis-RJ, e nos adesivos que ví diz que é a mão de Deus sobre a cidade.


Significado da mãozinha:

Polegar: o mais importante de sua mão, sem ele você perde todo o apoio. ele significa - DEUS ME AMA! Isto é o principal para que você tenha o "apoio" em sua vida.

Indicador: o dedo que você aponta as pessoas, mas deve lembrar-se que quando você aponta ele, tem mais 3 dedos apontando para você mesmo. Ele significa - SOU PECADOR!

Dedo do meio: o maior de todos, não poderia ser diferente aponta o maior feito da humanidade. Ele significa - CRISTO MORREU POR MIM!

Anelar: o dedo da aliança, entendendo e acreditando em todos os outros tópicos anteriores você faz uma aliança com Deus. Ele significa - EU ACEITO!

Mindinho: o menor de todos mas não menos importante, significa que depois de ter aceitado tudo o que foi dito como consequencia você pode dizer - ESTOU SALVO!
Eclesiastes 12
1 Lembra-te também do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos em que dirás: Não tenho prazer neles;
2 antes que se escureçam o sol e a luz, e a lua, e as estrelas, e tornem a vir as nuvens depois da chuva;
3 no dia em que tremerem os guardas da casa, e se curvarem os homens fortes, e cessarem os moedores, por já serem poucos, e se escurecerem os que olham pelas janelas,
4 e as portas da rua se fecharem; quando for baixo o ruído da moedura, e nos levantarmos à voz das aves, e todas as filhas da música ficarem abatidas;
5 como também quando temerem o que é alto, e houver espantos no caminho; e florescer a amendoeira, e o gafanhoto for um peso, e falhar o desejo; porque o homem se vai à sua casa eterna, e os pranteadores andarão rodeando pela praça;
6 antes que se rompa a cadeia de prata, ou se quebre o copo de ouro, ou se despedace o cântaro junto à fonte, ou se desfaça a roda junto à cisterna,
7 e o pó volte para a terra como o era, e o espírito volte a Deus que o deu.
8 Vaidade de vaidades, diz o pregador, tudo é vaidade.
9 Além de ser sábio, o pregador também ensinou ao povo o conhecimento, meditando, e estudando, e pondo em ordem muitos provérbios.
10 Procurou o pregador achar palavras agradáveis, e escreveu com acerto discursos plenos de verdade.
11 As palavras dos sábios são como aguilhões; e como pregos bem fixados são as palavras coligidas dos mestres, as quais foram dadas pelo único pastor.
12 Além disso, filho meu, sê avisado. De fazer muitos livros não há fim; e o muito estudar é enfado da carne.
13 Este é o fim do discurso; tudo já foi ouvido: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é todo o dever do homem.
14 Porque Deus há de trazer a juízo toda obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.

20 fevereiro 2008

Salmo 11
1 No Senhor confio. Como, pois, me dizeis: Foge para o monte, como um pássaro?
2 Pois eis que os ímpios armam o arco, põem a sua flecha na corda, para atirarem, às ocultas, aos retos de coração.
3 Quando os fundamentos são destruídos, que pode fazer o justo?
4 O Senhor está no seu santo templo, o trono do Senhor está nos céus; os seus olhos contemplam, as suas pálpebras provam os filhos dos homens.
5 O Senhor prova o justo e o ímpio; a sua alma odeia ao que ama a violência.
6 Sobre os ímpios fará chover brasas de fogo e enxofre; um vento abrasador será a porção do seu copo.
7 Porque o Senhor é justo; ele ama a justiça; os retos, pois, verão o seu rosto.

19 fevereiro 2008

Provérbio 13
1 O filho sábio ouve a instrução do pai; mas o escarnecedor não escuta a repreensão.
2 Do fruto da boca o homem come o bem; mas o apetite dos prevaricadores alimenta-se da violência.
3 O que guarda a sua boca preserva a sua vida; mas o que muito abre os seus lábios traz sobre si a ruína.
4 O preguiçoso deseja, e coisa nenhuma alcança; mas o desejo do diligente será satisfeito.
5 O justo odeia a palavra mentirosa, mas o ímpio se faz odioso e se cobre de vergonha.
6 A justiça guarda ao que é reto no seu caminho; mas a perversidade transtorna o pecador.
7 Há quem se faça rico, não tendo coisa alguma; e quem se faça pobre, tendo grande riqueza.
8 O resgate da vida do homem são as suas riquezas; mas o pobre não tem meio de se resgatar.
9 A luz dos justos alegra; porem a lâmpada dos ímpios se apagará.
10 Da soberba só provém a contenda; mas com os que se aconselham se acha a sabedoria.
11 A riqueza adquirida às pressas diminuirá; mas quem a ajunta pouco a pouco terá aumento.
12 A esperança adiada entristece o coração; mas o desejo cumprido é árvore devida.
13 O que despreza a palavra traz sobre si a destruição; mas o que teme o mandamento será galardoado.
14 O ensino do sábio é uma fonte devida para desviar dos laços da morte.
15 O bom senso alcança favor; mas o caminho dos prevaricadores é áspero:
16 Em tudo o homem prudente procede com conhecimento; mas o tolo espraia a sua insensatez.
17 O mensageiro perverso faz cair no mal; mas o embaixador fiel traz saúde.
18 Pobreza e afronta virão ao que rejeita a correção; mas o que guarda a repreensão será honrado.
19 O desejo que se cumpre deleita a alma; mas apartar-se do ma e abominação para os tolos.
20 Quem anda com os sábios será sábio; mas o companheiro dos tolos sofre aflição.
21 O mal persegue os pecadores; mas os justos são galardoados com o bem.
22 O homem de bem deixa uma herança aos filhos de seus filhos; a riqueza do pecador, porém, é reservada para o justo.
23 Abundância de mantimento há, na lavoura do pobre; mas se perde por falta de juízo.
24 Aquele que poupa a vara aborrece a seu filho; mas quem o ama, a seu tempo o castiga.
25 O justo come e fica satisfeito; mas o apetite dos ímpios nunca se satisfaz.

17 fevereiro 2008

Salmo 6
1 Senhor, não me repreendas na tua ira, nem me castigues no teu furor.
2 Tem compaixão de mim, Senhor, porque sou fraco; sara-me, Senhor, porque os meus ossos estão perturbados.
3 Também a minha alma está muito perturbada; mas tu, Senhor, até quando?...
4 Volta-te, Senhor, livra a minha alma; salva-me por tua misericórdia.
5 Pois na morte não há lembrança de ti; no Seol quem te louvará?
6 Estou cansado do meu gemido; toda noite faço nadar em lágrimas a minha cama, inundo com elas o meu leito.
7 Os meus olhos estão consumidos pela mágoa, e enfraquecem por causa de todos os meus inimigos.
8 Apartai-vos de mim todos os que praticais a iniquidade; porque o Senhor já ouviu a voz do meu pranto.
9 O Senhor já ouviu a minha súplica, o Senhor aceita a minha oração.
10 Serão envergonhados e grandemente perturbados todos os meus inimigos; tornarão atrás e subitamente serão envergonhados.

16 fevereiro 2008

Salmo 13
1 Até quando, ó Senhor, te esquecerás de mim? para sempre? Até quando esconderás de mim o teu rosto?
2 Até quando encherei de cuidados a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando o meu inimigo se exaltará sobre mim?
3 Considera e responde-me, ó Senhor, Deus meu; alumia os meus olhos para que eu não durma o sono da morte;
4 para que o meu inimigo não diga: Prevaleci contra ele; e os meus adversários não se alegrem, em sendo eu abalado.
5 Mas eu confio na tua benignidade; o meu coração se regozija na tua salvação.
6 Cantarei ao Senhor, porquanto me tem feito muito bem.

14 fevereiro 2008

Salmo 3
1 Senhor, como se têm multiplicado os meus adversários! Muitos se levantam contra mim.
2 Muitos são os que dizem de mim: Não há socorro para ele em Deus.
3 Mas tu, Senhor, és um escudo ao redor de mim, a minha glória, e aquele que exulta a minha cabeça.
4 Com a minha voz clamo ao Senhor, e ele do seu santo monte me responde.
5 Eu me deito e durmo; acordo, pois o Senhor me sustenta.
6 Não tenho medo dos dez milhares de pessoas que se puseram contra mim ao meu redor.
7 Levanta-te, Senhor! salva-me, Deus meu! pois tu feres no queixo todos os meus inimigos; quebras os dentes aos ímpios.
8 A salvação vem do Senhor; sobre o teu povo seja a tua bênção.

12 fevereiro 2008

Salmo 28
1 A ti clamo, ó Senhor; rocha minha, não emudeças para comigo; não suceda que, calando-te a meu respeito, eu me torne semelhante aos que descem à cova.
2 Ouve a voz das minhas súplicas, quando a ti clamo, quando levanto as minhas mãos para o teu santo templo.
3 Não me arrastes juntamente com os ímpios e com os que praticam a iniqüidade, que falam de paz ao seu próximo, mas têm o mal no seu coração.
4 Retribui-lhes segundo as suas obras e segundo a malícia dos seus feitos; dá-lhes conforme o que fizeram as suas mãos; retribui-lhes o que eles merecem.
5 Porquanto eles não atentam para as obras do Senhor, nem para o que as suas mãos têm feito, ele os derrubará e não os reedificará
6 Bendito seja o Senhor, porque ouviu a voz das minhas súplicas.
7 O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele confiou o meu coração, e fui socorrido; pelo que o meu coração salta de prazer, e com o meu cântico o louvarei.
8 O Senhor é a força do seu povo; ele é a fortaleza salvadora para o seu ungido.
9 Salva o teu povo, e abençoa a tua herança; apascenta-os e exalta-os para sempre.

09 fevereiro 2008

Ô SENHOR!
EM TUAS MÃOS ENTREGO MINHA VIDA, POIS NELAS ESTÁ MINHA SALVAÇÃO!
Provérbio 8
1 Não clama porventura a sabedoria, e não faz o entendimento soar a sua voz?
2 No cume das alturas, junto ao caminho, nas encruzilhadas das veredas ela se coloca.
3 Junto às portas, à entrada da cidade, e à entrada das portas está clamando:
4 A vós, ó homens, clamo; e a minha voz se dirige aos filhos dos homens.
5 Aprendei, ó simples, a prudência; entendei, ó loucos, a sabedoria.
6 Ouvi vós, porque profiro coisas excelentes; os meus lábios se abrem para a eqüidade.
7 Porque a minha boca profere a verdade, os meus lábios abominam a impiedade.
8 Justas são todas as palavras da minha boca; não há nelas nenhuma coisa tortuosa nem perversa.
9 Todas elas são retas para o que bem as entende, e justas para os que acham o conhecimento.
10 Aceitai antes a minha correção, e não a prata; e o conhecimento, antes do que o ouro escolhido.
11 Porque melhor é a sabedoria do que as jóias; e de tudo o que se deseja nada se pode comparar com ela.
12 Eu, a sabedoria, habito com a prudência, e possuo o conhecimento e a discrição.
13 O temor do Senhor é odiar o mal; a soberba, e a arrogância, e o mau caminho, e a boca perversa, eu os odeio.
14 Meu é o conselho, e a verdadeira sabedoria; eu sou o entendimento; minha é a fortaleza.
15 Por mim reinam os reis, e os príncipes decretam o que justo.
16 Por mim governam os príncipes e os nobres, sim, todos os juízes da terra.
17 Eu amo aos que me amam, e os que diligentemente me buscam me acharão.
18 Riquezas e honra estão comigo; sim, riquezas duráveis e justiça.
19 Melhor é o meu fruto do que o ouro, sim, do que o ouro refinado; e a minha renda melhor do que a prata escolhida.
20 Ando pelo caminho da retidão, no meio das veredas da justiça,
21 dotando de bens permanentes os que me amam, e enchendo os seus tesouros.
22 O Senhor me criou como a primeira das suas obras, o princípio dos seus feitos mais antigos.
23 Desde a eternidade fui constituída, desde o princípio, antes de existir a terra.
24 Antes de haver abismos, fui gerada, e antes ainda de haver fontes cheias d'água.
25 Antes que os montes fossem firmados, antes dos outeiros eu nasci,
26 quando ele ainda não tinha feito a terra com seus campos, nem sequer o princípio do pó do mundo.
27 Quando ele preparava os céus, aí estava eu; quando traçava um círculo sobre a face do abismo,
28 quando estabelecia o firmamento em cima, quando se firmavam as fontes do abismo,
29 quando ele fixava ao mar o seu termo, para que as águas não traspassassem o seu mando, quando traçava os fundamentos da terra,
30 então eu estava ao seu lado como arquiteto; e era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo;
31 folgando no seu mundo habitável, e achando as minhas delícias com os filhos dos homens.
32 Agora, pois, filhos, ouvi-me; porque felizes são os que guardam os meus caminhos.
33 Ouvi a correção, e sede sábios; e não a rejeiteis.
34 Feliz é o homem que me dá ouvidos, velando cada dia às minhas entradas, esperando junto às ombreiras da minha porta.
35 Porque o que me achar achará a vida, e alcançará o favor do Senhor.
36 Mas o que pecar contra mim fará mal à sua própria alma; todos os que me odeiam amam a morte.

07 fevereiro 2008

Salmo 23
1 O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.
2 Deitar-me faz em pastos verdejantes; guia-me mansamente a águas tranqüilas.
3 Refrigera a minha alma; guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome.
4 Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
5 Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos; unges com óleo a minha cabeça, o meu cálice transborda.
6 Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

05 fevereiro 2008

Salmo 113
1 Louvai ao Senhor. Louvai, servos do Senhor, louvai o nome do Senhor.
2 Bendito seja o nome do Senhor, desde agora e para sempre.
3 Desde o nascimento do sol até o seu ocaso, há de ser louvado o nome do Senhor.
4 Exaltado está o Senhor acima de todas as nações, e a sua glória acima dos céus.
5 Quem é semelhante ao Senhor nosso Deus, que tem o seu assento nas alturas,
6 que se inclina para ver o que está no céu e na terra?
7 Ele levanta do pó o pobre, e do monturo ergue o necessitado,
8 para o fazer sentar com os príncipes, sim, com os príncipes do seu povo.
9 Ele faz com que a mulher estéril habite em família, e seja alegre mãe de filhos. Louvai ao Senhor.

03 fevereiro 2008


Salmo 142
1 Com a minha voz clamo ao Senhor; com a minha voz ao Senhor suplico.
2 Derramo perante ele a minha queixa; diante dele exponho a minha tribulação.
3 Quando dentro de mim esmorece o meu espírito, então tu conheces a minha vereda; no caminho em que eu ando ocultaram-me um laço.
4 Olha para a minha mão direita, e vê, pois não há quem me conheça; refúgio me faltou; ninguém se interessa por mim.
5 A ti, ó Senhor, clamei; eu disse: Tu és o meu refúgio, o meu quinhão na terra dos viventes.
6 Atende ao meu clamor, porque estou muito abatido; livra-me dos meus perseguidores, porque são mais fortes do que eu.
7 Tira-me da prisão, para que eu louve o teu nome; os justos me rodearão, pois me farás muito bem.

02 fevereiro 2008

Salmo 93
1 O Senhor reina; está vestido de majestade. O Senhor se revestiu, cingiu-se de fortaleza; o mundo também está estabelecido, de modo que não pode ser abalado.
2 O teu trono está firme desde a antigüidade; desde a eternidade tu existes.
3 Os rios levantaram, ó Senhor, os rios levantaram o seu ruído, os rios levantam o seu fragor.
4 Mais que o ruído das grandes águas, mais que as vagas estrondosas do mar, poderoso é o Senhor nas alturas.
5 Mui fiéis são os teus testemunhos; a santidade convém à tua casa, Senhor, para sempre.